Afonso Pena revela “Professores Pardais” em Feira de Ciências

Saberes acumulados por meio de livros e aulas teóricas são materializados em projetos científicos por alunos de São Tiago

Não é uma árvore de maçã qualquer, mas a representação do fruto que cai no chão e inspira Newton sobre a força da gravidade (Fotos: Bia Oliveira)
Não é uma árvore, mas a da maçã que cai no chão e inspira Newton sobre a força da gravidade (Fotos: Bia Oliveira)

A Escola Estadual Afonso Pena Júnior promove Feira de Ciências depois de um hiato de vários anos sem o evento. A abertura acontece nesta sexta-feira (25), às 19h, com palestra do professor do curso de Física da UFSJ, Alessandro Damásio. O bate-papo é seguido de apresentação da equipe de robótica e uma performance artística.

Já no sábado (26), é dia de apresentação dos 120 projetos desenvolvidos pelos alunos dos Ensinos Fundamental e Médio com coordenação de profissionais da instituição de ensino. A abertura da Escola para o público está marcada para 14h.

Segundo a vice-diretora da Afonso Pena, Beatriz Oliveira, os alunos tiveram autonomia para escolher o projeto que vai ser apresentado. “Há trabalhos em todas as áreas do saber. Optamos por essa liberdade para despertar o engajamento dos jovens com Feira”, completa.

Quem visitar a escola vai se surpreender com os produtos desenvolvidos pelos estudantes. Eles criaram um Bobina de Tesla, uma espécie de carretel de fio de cobre. Ao chegar uma lâmpada perto, ela acende pela energia gerada pelo invento.

Outro exemplo aposta em tecnologia para quem não consegue viver sem celular. Foi criado um carregador através de bluetooth plugado na tomada. Basta chegar a uma certa distância da engenhoca que os smartphones começam a carregar, dispensando o uso de fios.

Os inventores do saber foram parar até na cozinha. Beatriz comenta que os alunos desenvolveram uma coxinha e um brigadeiro à base de inhame. Beatriz experimentou a aprovou. “Ficou uma delícia, além de ser mais saudável” ressalta.

A vice-diretora afirma ainda que a Feira de Ciências tem como objeto a materialização do saber. “O evento desenvolve e incentiva a pesquisa. Além disso estimula a criatividade para desenvolver todo o saber. Os alunos gostam quando esse saber é materializado”, completa.

Premiação

Embora haja vencedores, quem ganha mesmo é saber acumulado pelos alunos
Embora haja vencedores, quem ganha mesmo é o saber acumulado pelos alunos

Todos os 120 trabalhos serão julgados por pessoas da comunidade. O júri vai considerar três quesitos, “caderno de bordo”, uma espécie de diário com anotações sobre os encontros dos alunos para desenvolver as engenhocas, o projeto teórico escrito e a apresentação oral desse projeto.

Beatriz conta que sairá um campeão dos campeões por nível de escolaridade. Também haverá a entrega de medalhas de honra ao mérito para os grupos que se destacarem em algum critério de avaliação pelos jurados.

Os vencedores serão conhecidos às 19h. Eles receberão prêmios doados pelo comércio local. Para encerrar a Feira, ainda serão entregues 63 medalhas aos alunos que se destacaram em Olimpíadas de várias disciplinas, exceto matemática, que ainda não divulgou o resultado.            

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *