Em bate-papo com o Trem de Ler, o candidato Denilson Silva Reis estabelece as propostas que tomará como base caso seja eleito. Mostra preocupação com instituições sociais do município, reflete sobre as ações da atual administração e anuncia o nome de secretários. Reis também comenta os rumos do Forno na Praça. Formado em Gestão de Recursos Humanos, casado e pai de dois filhos, se eleito, será a terceira vez que assume o executivo municipal

Candidato Denilson Reis (PSDB) apresenta propostas caso ganhe eleições (Fotos: Douglas Caputo)
Candidato Denilson Reis (PSDB) apresenta propostas caso ganhe eleições (Fotos: Douglas Caputo)

Trem de Ler: Diante do atual panorama brasileiro, com incertezas políticas e econômicas, qual bandeira de campanha o Sr. acredita que merece mais destaque dentro do município de São Tiago?

Candidato Denilson: Temos insistido em duas importantes frentes, a UNIÃO da comunidade em prol dos nossos projetos e a constante busca pela EFICIÊNCIA no gasto dos recursos públicos.

TDL: Hospital São Vicente de Paulo e Albergue São Francisco de Assis anunciaram dificuldades financeiras e probabilidade de fechar as portas. Se eleito, qual compromisso a municipalidade assumirá com essas duas instituições?

Candidato Denilson: De fato as duas instituições passam por muitas dificuldades e isso nos preocupa sobremodo. Mas é importante relatar que, a nosso ver, são duas situações que requerem diferentes soluções.

O Albergue São Francisco de Assis é uma instituição que abriga idosos, todos carentes, e que tem sua ‘clientela’ definida e despesas pouco variáveis. Penso que se conseguirmos sensibilizar nossa comunidade para que, com união e solidariedade, apoie seu financiamento, mantendo a qualidade dos dirigentes atuais, certamente todas as crises financeiras que vierem serão vencidas.

Já o Hospital São Vicente de Paulo vive uma situação muito mais complexa. A instituição faz parte do SUS – Sistema Único de Saúde e sobrevive, basicamente, com financiamento chamado tripartite, ou seja, de recursos advindos das três esferas de governo: municipal, estadual e nacional. Com uma despesa superior a R$100 mil mensais, a tarefa de equalizar essa conta é extremamente complexa, quase que impossível. E mais, o Hospital é uma Casa que tem suas portas abertas 24 horas por dia, ininterruptas, ou seja, nunca se fecham.

Uma instituição como o Hospital São Vicente de Paulo tem melhores chances de sobrevivência quando conseguimos aumentar o fluxo e o volume de serviços prestados. É fácil entender. Vocês conseguem imaginar quantas consultas, cirurgias, procedimentos de todas as formas foram realizados fora de São Tiago, em outros hospitais, nestes últimos anos? Durante este mesmo período, o nosso Hospital, obviamente, teve que manter suas despesas com o corpo clínico, servidores da administração e também com as despesas comuns como energia, água, telefone etc… e teve sua receita global diminuída. Sejamos sinceros, perder o Dr. Rodolfo e a Dra. Ludimila foi um dos maiores retrocessos que tivemos e, sem dúvida, esse fato causou uma desorganização no sistema de saúde local, que levará tempo para ser solucionada. Com a ausência desses profissionais, cirurgias, partos e muitos outros procedimentos passaram a ser realizados em outros municípios.

Existem muitos outros dados sobre este tema que poderíamos discorrer aqui, mas entendemos ser importante irmos ao ponto central.

Em reunião realizada com membros da diretoria do Hospital, no dia 26 de agosto, fomos informados que, atualmente, o déficit da instituição está na casa de R$20 vinte mil mensais. Creio que, irremediavelmente, a prefeitura terá que arcar com, pelo menos, parte destes recursos e trabalhar junto a nossa comunidade na realização de campanhas, leilões, eventos que possam levantar ainda mais recursos para a manutenção desta imprescindível instituição são-tiaguense.

"Angústia" e "preocupação" com a folha de pagamento
“Angústia” e “preocupação” com a folha de pagamento

TDL: A questão relacionada aos salários dos agentes políticos levantou discussão acaloradas na Câmara Municipal. Independentemente dos valores fixados para a próxima gestão, como o governo pretende administrar a folha de pagamento de pessoal dentro do limite máximo de 54%? Existe a possibilidade de cortes de funcionários, como redução de cargos comissionados?

Candidato Denilson: Em primeiro lugar, preciso registrar que os termos utilizados na pergunta “independente dos valores fixados para a próxima gestão…” me incomodaram bastante. Eles não podem ser aceitos de forma alguma. Afinal, como pagar a um secretário municipal valores inferiores a R$3,5 mil, e mesmo assim cobrar eficiência, comprometimento e exclusividade para a realização desta tarefa? Para mim, ficou claro que esta medida visa trazer embaraços para a próxima gestão e que o proponente desta matéria desconhece profundamente a gestão da coisa pública.

Em relação ao percentual de folha, desejo compartilhar com todos os leitores a minha angústia e enorme preocupação. Não me lembro, nem no auge da crise em 2009, do nosso município ter números tão altos despendidos com folha de pagamento. Tanto é que no dia 10 de maio passado enviei, respeitosamente, ofício ao senhor Prefeito Municipal lhe comunicando minhas preocupações em relação a três pontos específicos, sendo que um deles é exatamente sobre o tema em questão.

Enfim, é importante esperar, caso eleitos formos, pelo momento da transição e os números e dados que encontraremos. Lembrando que no ano de 2005 demonstrei a todos que não tenho dificuldades para tomar as medidas necessárias, se estas vierem a contribuir eficazmente para a equalização das contas e oferecer ao cidadão aquilo que lhe é devido, serviços bons e eficientes.

TDL: A Prefeitura cortou os repasses ao Focest. Mas o Forno na Praça ainda é uma questão que rende discussões, por se tratar de um bem em um espaço público sem processo licitatório. Se eleito, o Sr. pretende dar continuidade ao atual sistema ou implantar um modelo mais democrático de gestão daquele espaço? Como será feito isso?

"Triste pelo que fizeram com o Forno e o Focest"
“Triste” pelo que fizeram com o Forno e o Focest

Candidato Denilson: Lamentável o ocorrido com o projeto “Forno na Praça”. Sinto-me extremamente triste pela falta de sensibilidade do poder público local pelo não reconhecimento da importância daquele projeto para o nosso município, bem como o valor da instituição envolvida. Se naquele momento entendessem que havia a necessidade de realizar ajustes no projeto, que os fizessem. O que ocorreu foi o total abandono do projeto como se ele fosse pessoal ou particular. Ademais, é momento para refletirmos. Nunca aceitei e nunca aceitarei o que alguns dos nossos adversários políticos fizeram com o Focest. Eles tentaram, no calor de uma campanha eleitoral, promover a conhecida “destruição de reputações”. E com qual o objetivo? Jogar instituições e o povo contra nós. Muito se falou do Focest e nada foi comprovado. Desrespeito aos membros da diretoria da instituição e ao povo de São Tiago.  

Instituições são ‘ouro refinado’ para qualquer sociedade civilizada. Não se pode desprezar nenhuma delas. As instituições têm o direito de estampar suas características peculiares, serem independentes e próprias, enfim, nunca poderia faltar respeito para organizações como esta, seja por parte das autoridades e membros da nossa sociedade.

Proporemos uma total reformulação no projeto turístico são-tiaguense e do funcionamento do Espaço Forno na Praça, assim, a participação do Focest, empreendedores locais e tantas outras instituições serão imprescindíveis para alcançarmos êxito. As soluções serão encontradas com diálogo e respeito às pessoas de bem deste município

TDL: Em vias de se tornar um elefante branco, a Praça de Esportes padece com falta de investimentos, o que ocasionou uma reinauguração seguida de portas fechadas para a comunidade. Quais as propostas para que o local possa ter um uso efetivo?

Candidato Denilson: Para nós a solução é simples. Construir parcerias.

A nossa Praça de Esportes viveu tempos áureos durante os mandatos dos prefeitos Sr. Raul Wilson da Mata e Sr. Miguel Salomão. Alguns cidadãos também deixaram suas marcas inesquecíveis. Permitam-me citar dois deles, que já não estão entre nós, refiro-me ao Sr. Vicente Ribeiro e o Sr João Gaudêncio (João Gordo), homenageando todos os dirigentes que por lá passaram e que tanto fizeram por nós. Também não podemos jamais esquecer dos bons tempos vividos sob os cuidados das Instituições ALFA e Casa Amizade / Rotary Clube.

Como disse, para nós é muito simples. Basta analisar o que deu certo durante estes períodos, elaborar um bom edital de concorrência pública e convocarmos os interessados.

Aproveito a oportunidade para explicar que durante os nossos mandatos a Praça de Esportes, por algum tempo, deixou de funcionar adequadamente, afinal, havia a necessidade de reformas e os valores não eram pequenos.

Diante disso, seguimos em frente, com outras prioridades de governo e fomos estabelecendo parcerias, principalmente com o Governo Estadual. Neste período construímos as Unidades Básicas de Saúde, Creche, Biblioteca, Casa da Banda, Forno da Praça, Quadra da Escola José Aldo, Usina de Compostagem e Reciclagem de Lixo, terminamos as Obras do Poliesportivo, apoiamos institucionalmente as obras de reforma e ampliação da E. E. Afonso Pena Júnior, pavimentamos dezenas de ruas, nossa frota tornou-se uma referencia para a região, construímos a garagem, além de muitas outras obras e iniciativas. Paralelamente fomos construindo, junto aos Deputados Domingos Sávio e Rômulo Viegas, o projeto e o ambiente político favorável ao investimento na nossa Praça de Esportes. Foi em 2011, durante a visita do então governador Anastasia, que discutimos a necessidade desse aporte de recursos e o governador, sensibilizado, anunciou a liberação de mais de meio milhão de reais para a tão sonhada reforma e ampliação da Praça de Esportes João Batista dos Reis. Fato que ocorreu já no final do nosso segundo mandato, tendo as obras concluídas na atual administração.

"Ato insano e irresponsável"
“Ato insano e irresponsável”

TDL: O Município contratou junto ao Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) empréstimo de R$800 mil em abril deste ano. O valor será usado para construção de nova sede da Secretaria de Saúde. Além disso, existem as obras da nova Escola Municipal e da Creche, que seria implantada em Mercês de Água Limpa. Como o Sr. analisa essas ações e quais impactos elas terão na próxima administração?

Candidato Denilson: Estes também foram temas do ofício que encaminhei ao senhor Prefeito Municipal em maio passado. Sinceramente, considero este empréstimo de R$800 mil junto ao BDMG, para construir a sede da Secretaria de Saúde, um ato insano e irresponsável. Endividar o município para construir uma sede para a Secretaria de Saúde? Será que não está faltando sensibilidade para com o gravíssimo quadro econômico que vive o nosso Hospital? Afinal, os valores despendidos com a amortização deste desastrado projeto poderiam ser utilizados para auxiliar o hospital neste momento crítico.  Ademais os valores despendidos com o aluguel ao Tiago Apóstolo não podem ser considerados como despesas e sim como investimentos, pois se trata de uma instituição parceira. Enfim, não existem explicações lógicas para endividar o município por uma década neste momento, onde temos uma inflação média de 10% ao ano. Entendemos que se este projeto não for imediatamente interrompido, nosso sistema de saúde entrará em colapso. 

Quanto às obras da Creche e a nova escola, entendo que são obras de grande vulto e que, esperamos, tenham sido cuidadosamente planejadas. Nos chama a atenção o fato de que a ordem de serviço da obra da escola foi dada em maio e o que temos até hoje é o serviço de terraplanagem. É importantíssimo lembrar que, como disse, o país convive com indicies de 10% de inflação anual e esta situação pode levar a prefeitura a uma grave crise financeira, caso os contratos não tenham sido bem claros a este respeito. E a creche, obra projetada para ser implantada no distrito de Mercês de Água Limpa, improvisadamente transferida para a sede do município, teve sua alocação num terreno não preparado para tal. Será que os valores despendidos com muros de arrimos e contenções, alem das despesas futuras com folha de pagamento foram colocadas na “ponta do lápis”?

Imaginamos que a atual administração precisará, em respeito aos cidadãos dessa terra de, no mínimo, se ater a alguns importantes pontos:

Deixar registrado suas claras intenções sobre a utilização do prédio da atual EM José Aldo dos Santos, localizado na Av. dos Expedicionários e com qual fonte de recursos sustentará estes planos. Será que não está sendo criado um problema para o futuro? Entendemos que no ato da assinatura do convênio da construção desta nova escola isso deveria estar claro e registrado em ata de reunião do Conselho Municipal de Educação.

A creche foi concebida originalmente para ser construída no distrito de Mercês de Água Limpa. A transferência abrupta e autocrática para a sede do município nunca será aceita. Isso tudo por causa da falta de planejamento, chegando ao cúmulo de ter sido proposto a demolição do campo de futebol no distrito. Não seria sensato e mais democrático que a execução do convênio fosse paralisada e essa decisão fosse postergada para o próximo mandato? Afinal, o atual prefeito nem candidato a reeleição é e, obviamente, a tarefa de colocar em funcionamento este confuso e incerto empreendimento será de outro chefe do executivo.

Registro mais uma vez a dúvida: os valores despendidos com contenções e muros de arrimo estão dentro da previsão orçamentária do município? Ou está acordada, formalmente com o FNDE, a inclusão desta enorme despesa no escopo do convênio?

Precisamos confessar que estamos vivendo momentos de apreensão.

TDL: Grupo apoiador do presidente interino Michel Temer (PMDB) acredita que uma das saídas para a crise é acabar com as vinculações constitucionais, como gastos obrigatórios com saúde e educação. Ou seja, o gasto com saúde precisa obedecer percentual mínimo de 13,2% da receita líquida. E a educação 25%. No caso do Congresso aprovar essas medidas, o município terá a mesma postura?

Candidato Denilson: Existem muitas especulações a este respeito, mas caso ocorra, em São Tiago não acontecerá. É aqui, no município, que tudo acontece. Nós sabemos que depois do desastre causado pelos governos irresponsáveis do PT nosso país continuará descapitalizado por muito tempo. Haveremos de tirar dinheiro de outras áreas, mas nunca da educação e da saúde. Isso é inadmissível.

TDL: Existe alguma estratégia para implantação de nova Creche em Mercês de Água Limpa? Como isso será feito? Com que financiamento?

dsc_4855
Creche em São Tiago é um “desserviço”

Candidato Denilson: Essa é uma outra polêmica envolvendo a atual administração e mais um assunto que foi abordado junto ao prefeito municipal por ocasião do ofício a ele enviado em maio passado.

Na verdade, para que todos os leitores entendam, esclarecemos que a creche no distrito de Mercês de Água Limpa já existe e o que estava sendo proposto era a construção de uma a nova obra para abrigar a creche do distrito, fato que melhoraria e ampliaria a oferta deste importantíssimo e necessário serviço aos agualimpenses e populações das comunidades vizinhas. É necessário que se registre que a creche de Mercês de Água Limpa já conta com alguns professores e servidores contratados, presentes na folha de pagamentos da prefeitura, bastando somente acrescer alguns poucos funcionários para se ter um pleno funcionamento daquele empreendimento de ensino.

Como já dissemos, o que recentemente foi anunciado pela prefeitura é que a creche não seria mais construída no distrito e sim, na sede do município, mais precisamente no Bairro das Nações Unidas. Nós consideramos essa medida um desserviço ao Sistema de Ensino Municipal e elencamos dois fatores: primeiro, a falta de planejamento do empreendimento. Se for necessário contratar uma equipe inteira para colocar, na sede, mais uma creche em funcionamento, essa tarefa será praticamente impossível. A prefeitura já está gastando mais do que pode com folha de pagamento dos funcionários, superando a casa dos 52% das despesas totais e, em segundo lugar, reafirmo, em função do caráter improvisado dessa medida o custo para a construção dos muros de arrimo e de estabilização do terreno consumirão valores estratosféricos, fato que inviabilizará o quadro financeiro do sistema educacional municipal. Repito: vivemos um momento de angústia e preocupação.

TDL: As eleições majoritárias estão polarizadas entre antigos rivais, PSDB e PT. Que peso terão os partidos que compõem cada coligação na escolha do Secretariado?

Candidato Denilson: Nenhum. As pessoas nos conhecem. Nosso grupo político não negocia cargos e secretarias. Sempre tomamos decisões que nos permitam andar com a ‘cabeça erguida’, por toda a vida.

Nossos secretários precisam demonstrar duas características essenciais:

Habilidade pessoal para liderar e empreender;

Facilidade de interação com a equipe e com os objetivos estabelecidos.

Em tempo: desejo, em primeira mão, anunciar que, caso eleitos, convidaremos o senhor Leonardo Martins para reassumir a Secretaria Municipal de Saúde. Da mesma forma, convidaremos o senhor Everaldo Antonio da Silva para assumir a tarefa de reestruturar a Secretaria de Transportes, dando à frota a mesma qualidade, pautado na prevenção e custo reduzido, o que dará forte apoio aos demais departamentos da prefeitura, como antes. Já para a composição dos demais cargos ficaremos na dependência do que nos será repassado durante o processo de transição do mandato. Queremos saber o nível dos problemas que a atual administração nos passará e somente a partir destes dados é que decidiremos o perfil ideal para cada cargo. 

TDL: Em relação ao Legislativo, como fará para construir uma base de sustentação, sabendo que isso tem sido um problema para os governos, tendo como exemplo a própria Dilma e Temer que se tornaram reféns do Legislativo?

"Câmara soberana e livre"
“Câmara soberana e livre”

Candidato Denilson: Este é um fato que muito nos preocupa, mas também sei que o nosso povo é inteligente e votará em candidatos equilibrados, educados, que saibam conviver republicanamente. Assim, tomo a liberdade, mais uma vez, de pedir a todos para votarem nos candidatos que nos apoiam. Entendemos que a Câmara Municipal é soberana e livre, contudo os vereadores que nos apoiam têm compromisso com nossos ideais e sabem quais são as necessidades mais urgentes do nosso povo.

Permitam-me registrar um fato incontestável: os candidatos a vereadores que nos apoiam têm um único e exclusivo compromisso com o nosso povo, com a nossa terra e não com partidos políticos. Todos nós vamos trabalhar com alegria e responsabilidade, olhando para frente.

TDL: Para este primeiro ano de mandato, o que os eleitores podem esperar da administração, caso o Sr. seja eleito?

Candidato Denilson: Em função das inquietações e problemas aqui relatados tenho plena convicção de que estarei enfrentando o maior desafio da minha vida, mas de igual forma, tenho certeza, de que com austeridade no trato da coisa pública, muito diálogo e ações efetivas que reconstruam as parcerias, enfrentaremos destemidamente os desafios e venceremos as incertezas.

Por: Douglas Caputo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *