Desastre em São Tiago é agravado com chuvas dos últimos dias

desastre-sao-tiago-chuvas
Lavanderia caiu e barranco chegou ao alicerce da casa

As chuvas dos últimos dias agravaram a situação da área de desastre na região central de São Tiago. De sexta (1º) até segunda-feira (4), houve mais movimentação de terra. O alicerce de pelo menos uma casa está no limite do barranco que se formou no início desta semana.

Proprietário da residência, Bruno Henrique dos Santos, calcula que cerca de sete metros da superfície foram levados com a chuvarada. Além disso, a coberta da área de serviço também desmoronou no início da semana.

Conforme a coordenadora da Defesa Civil de São Tiago, Aparecida Maria da Silva, isso classifica o imóvel em “situação de risco grave e iminente, que pode cair de uma hora para outra”. A coordenadora diz ainda que se casa ruir “pode haver um efeito dominó e derrubar mais quatro residências que praticamente dividem parede”, alerta.

desastre-sao-tiago-mg-chuvas
Casa condenada ameaça cair

Alerta que tira o sono de Santos e da família dele. “Todos estamos muito preocupados, já que nossa casa está praticamente condenada. Acabamos de construir em 2014 e terminamos de pagar o financiamento do material de construção este mês. Agora, não tem mais como voltar. Espero que no futuro sejamos ressarcidos”, enfatiza.

O desastre que atingiu São Tiago ocorreu dia 25 de fevereiro passado. Depois de uma chuva intensa, uma cratera se formou nos fundos das ruas Joaquim Marques da Silva e Raul Soares, engolindo duas casas. Outras duas residências foram condenadas e devem ser demolidas.

Ao todo, 28 famílias tiveram que deixar o local. Elas foram abrigadas em imóveis da cidade com aluguel pago pela Administração Municipal, por meio da Assistência Social. Por sorte, ninguém se feriu na tragédia.

Licitação para obras

desastre-sao-tiago-mg-chuvas
Licitação vai permitir obras definitivas

No início de outubro, a Prefeitura recebeu os projetos das obras definitivas que devem ser feitas na área atingida pelo desastre, conforme noticiou o TREM DE LER.

Antes das obras começarem, no entanto, deve ser realizada licitação para contratar a empreiteira. O processo licitatório acontece nesta quinta-feira (07), às 14h, na Prefeitura.

Por conta dos trâmites legais, não é possível prever a data de homologação do resultado da licitação. A modalidade do processo é a tomada de preços.

Inicialmente, a licitação estava marcada para o dia 23 de novembro. Mas como foi alterada uma planilha de serviços, a retificação exigiu – legalmente – mais 15 dias de publicidade do edital nº 58.

Com a mudança no certame, o valor das obras, estimado em R$1.328.753,44, aumentou para R$1.382.117,48.

Serviços na área de desastre

desastre-sao-tiago-mg-chuvas
Homens trabalham na drenagem do solo

Na manhã dessa terça-feira (05), servidores da Prefeitura trabalhavam na Rua Joaquim Marques. Presente no local, o secretário Municipal de Obras e Urbanismo, Marino Assunção Coelho, informou que os serviços são para reduzir o impacto da chuva.

Ao longo do trecho da Joaquim Marques, onde há a cratera, foi construída uma espécie de canaleta de cimento no chão. O objetivo é dar vazão à enxurrada e evitar que a água se infiltre ainda mais no terreno.

Coelho também disse que um trabalho de drenagem está sendo feito dentro da cratera, na região próxima ao local que cedeu nessa segunda-feira.

Além disso, todos os barrancos foram cobertos com lonas. Segundo a coordenadora da Defesa Civil, mais uma forma de contenção para o forte impacto das chuvas.

A coordenadora garante que “outras medidas podem desestabilizar mais o terreno. Por isso, elas devem ser feitas por empresa técnica que será contratada por meio da licitação”.

trem-de-ler

Um comentário em “Desastre em São Tiago é agravado com chuvas dos últimos dias

  • 6 de dezembro de 2017 em 10:53
    Permalink

    Fico indignada de ver que só agora a prefeitura vai fazer obras pra diminuir o impacto. Compreendo a burocracia de nosso pais, mas se fosse feito obras de redução de dano desde o inicio, talvez essa casa não cairia e evitaria outros males. É preciso que as autoridades entendam que essa situação é adoecedora e traz impactos na saúde mental dos moradores. 2018 está chegando e ai veremos que não terão dificuldade em solucionar os problemas porque essa obra vale voto. Isso é o retrato do Brasil, infelizmente.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *