IBGE atualiza dados populacionais e detalha projeções da população brasileira

Mesmo sem conseguir fazer o Censo 2021 por causa de tesourada do governo Federal, IBGE atualiza dados populacionais brasileiros

IBGE atualiza dados populacionais
São Paulo continua a cidade mais populosa do Brasil

Quantos somos? A pergunta ficou engasgada depois de corte de 90% do governo Federal que impossibilitou a realização do Censo 2021.

Mesmo assim, o Instituto de Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) atualiza dados populacionais do Brasil. Além disso, o centro de pesquisa compara e detalha projeções para o país nas próximas décadas.

Em publicação no Diário oficial da União desta sexta (27), dados do IBGE mostram que a população brasileira chegou a 213.317.639 em 1º de julho passado.

Ainda de acordo com a publicação, o estado com mais pessoas é São Paulo, com um total de 46.649.132 habitantes.

Minas aparece em segundo, com 21.411.923 habitantes. Roraima vem em último, com 652.713.

IBGE estima crescimento de dependentes

IBGE atualiza dados populacionais
Brasil está envelhecendo

O IBGE estima que a população brasileira deva atingir 233,2 milhões de pessoas em 2047. Depois desse ano, a tendência é de redução gradual, com 228,3 milhões de brasileiros em 2060.

Ainda em 2060, os idosos vão aumentar. As pessoas com mais de 65 anos de idade devem representar 25,5% dos brasileiros, frente aos 9,2% de 2018.

Os jovens (0 a 14 anos) devem representar 14,7% da população em 2060. Na atualização do IBGE para 2018, os jovens somavam 21,9% da população.    

Assim, em 2060, a População Economicamente Ativa deve recuar. Ou seja, para cada grupo de 100 brasileiros, haverá mais dependentes.

A razão de dependência da população em 2018 era de 44%. Isso significa que 44 indivíduos com menos de 15 e com mais de 64 anos dependiam de cada grupo de 100 pessoas em idade de trabalhar (15 a 64 anos).

Em 2039, a razão de dependência total deve ser de 51,5%, quando a proporção de jovens (25,7%) e idosos (25,8%) se equivalerá. A dependência deve aumentar para 67,2% em 2060, conforme o IBGE.

Taxa de fecundidade

População deve parar de crescer em 2047

A taxa de fecundidade total em 2018 era de 1,77 filho por mulher, mas ela deverá reduzir para 1,66 em 2060. Fora dessa linha, em 2018, estavam os estados Roraima (2,31), Amazonas (2,28), Acre (2,22) e Amapá (2,11).

Em 2060, Roraima deverá continuar com a maior taxa de fecundidade (1,95). Em seguida, vem Pará, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, todos com 1,80.

As menores taxas de fecundidade deverão ser a do Distrito Federal (1,50) e as de Goiás, Rio de Janeiro e Minas Gerais, os três com 1,55.

Conforme o IBGE, em 2018, a idade média das mulheres que tiveram filhos foi de 27,2 anos de idade. Em 2060, a estimativa é de 28,8 anos em 2060.

Esperança de vida

Catarinenses continuam mais longevos

A revisão de 2018, indicava que Santa Catarina tinha a maior esperança de vida ao nascer para ambos sexos, 79,7 anos de idade.

O estado deve se manter nessa posição em 2060, mas com longevidade de 84,5 anos de idade. O Piauí deverá ter a menor esperança de vida com 77 anos.

De acordo com IBGE, a próxima atualização dos dados populacionais deve ocorrer em 30 de setembro. Ela vai trazer informações referentes ao ano de 2021.

Já em relação aos efeitos da pandemia sobre a população brasileira, os dados devem ser divulgados após o novo Censo, previsto para 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enviar mensagem