mundial-de-jiu-jitsu
Pode vir mais medalha por aí

Lutador de jiu-jítsu, o são-tiaguense Fábio Ribeiro da Costa – o Fabinho – treina pesado para mais uma competição.

Desta vez, ele briga pelo Ouro no Mundial de Submission, sediado na cidade de São Paulo, no próximo domingo (28).

“A preparação tem sido muito forte para este campeonato. Aumentei a carga de treinos e, na preparação física, foquei menos em musculação e mais em exercícios de explosão”, conta Fabinho.

Ele encara a categoria pesado, com atletas de até 94 quilos. Três lutas separam o são-tiaguense da medalha de Ouro.

Cada batalha dura dez minutos, caso não ocorra finalização. Se passar pelos três oponentes, Fabinho volta com mais uma vitória no currículo.

Embora tenha anunciado a aposentadoria como professor de jiu-jítsu em novembro do ano passado, Fabinho não pendurou o quimono. “Agora, me dedico apenas às competições”, explica.

Não por acaso a agenda de Fabinho segue cheia. Em abril, ele disputa o Brasileiro, em Barueri (SP). Já em maio, o atleta vai disputar o tetra no Campeonato Mercosul, sediado em Buenos Aires.

Jiu-jítsu de bronze

mundial-de-jiu-jitsu
Três anos de jiu-jítsu e medalha que não acaba mais

A arte marcial tem revelado mais talentos na região. O barbacenense Thiago de Oliveira Barbosa foi bronze no World Jiu-jítsu. Campeonato que rolou no Centro Olímpico do Rio de Janeiro, dia 21 deste mês.

Com 26 anos, três deles dedicados a arte marcial, Barbosa disputa uma das categorias mais duras do jiu-jítsu, a pesadíssima, para atletas com mais de 100 quilos.

Com agenda marcada para o Campeonato de Teresópolis (RJ), em março, além dos tatames, o atleta tem que enfrentar outra luta, a busca por patrocínio.

“Infelizmente, o Brasil não cresce mais no esporte por falta de investimentos. O discurso é que o país está em crise, mas isso não é de hoje. Grandes atletas da região podem não se destacar por falta de recursos”, desabafa Barbosa.

O atleta destaca ainda que os investimentos em esporte melhoram a sociedade em vários segmentos. “O setor deveria estar entre os principais das políticas públicas. Investir na área é investir em cidadania, educação, saúde”, finaliza o atleta.

Siga o TREM

→ No Twitter

→ No Instagram

→ No YouTube

One Reply to “Mundial de jiu-jítsu pode render mais um ouro para o são-tiaguense Fabinho”

  1. Verdade.

    Através do esportes diversos jovens saem da marginalidade. Por isso a importância em investimentos, o que pouco acontece no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *