Prefeitura de São Tiago agiliza processo para construção de nova ‘José Aldo’

Escola modelo (imagem de divulgação)
Escola modelo (imagem de divulgação)

A nova José Aldo vai ficar nas imediações da atual. Com mais espaço e acessibilidade, a escola vai poder receber alunos de inclusão e oferecer melhor qualidade de ensino. Já o prédio antigo pode abrigar Secretarias de Governo. Orçamento total é de mais de R$3,6 milhões

A segunda-feira (04) foi de licitação na Prefeitura. Comissão da área abriu envelopes com documentos exigidos no edital.

Todos os seis concorrentes foram habilitados nesta fase do processo. Um é de São Tiago e o restante de outras cidades.

Por lei, depois dessa fase, é preciso esperar cinco dias úteis para abrir os envelopes com as propostas comerciais, financeiras.

“Isso porque alguma das empresas pode interpor recurso à fase de documentação da concorrência pública”, informou a comissão licitatória.

Caso não haja recurso, a abertura dos envelopes com as propostas comerciais está prevista para o dia 13 de abril. Aqui, também é preciso esperar mais cinco dias úteis por causa de eventuais recursos.

“Caso ninguém recorra, é anunciado o vencedor do processo orçado no valor máximo de R$3.405.415, 23. O recurso foi destinado pelo Governo Federal para a construção do prédio.

Em contrapartida, a Prefeitura entrou com R$200 mil, já empregado na compra de lote para a nova escola”, contabiliza a comissão.

Escola modelo

Toda estrutura para garantir qualidade no ensino
Toda estrutura para garantir qualidade no ensino

Essa é a instalação que os alunos da educação infantil ao 5º ano vão encontrar no novo prédio da José Aldo, segundo a secretária Municipal de Educação, Diana Mata.

“O local já foi projetado para receber alunos com necessidades especiais. A Apae está virando um centro especializado, a tendência é que a inclusão predomine nos próximos anos”, ressalta Diana.

A necessidade de estar preparado para alunos com limitações junta-se à deterioração da atual José Aldo, inaugurada há 20 anos.

“Temos problemas na rede física como escadas para o segundo andar, problemas hidráulicos e elétricos. Essa infraestrutura deficitária não oferece uma educação de qualidade”, garante Diana.

Além disso, as novas instalações serão maiores. Atualmente, nos turnos da manhã e tarde são 17 turmas que ocupam nove salas.

“Na escola que vamos construir, teremos 12 salas de aula. Caso não tenha que dividir turmas, podemos aproveitá-las para o tempo integral”, comenta Diana.

A secretária revela ainda que a antiga José Aldo possivelmente será transformadas em Secretarias de Governo.

Reportagem: Douglas Caputo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *