Secretaria de Saúde indica baixo índice de infestação de Aedes aegypti em São Tiago

secretaria-saude-dengue-sao-tiago
Eliminar o mosquito é dever de todos

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (Lira) nesta quarta-feira (29). Dados do Setor de Vigilância Epidemiológica e Ambiental apontam que em São Tiago o Índice de Infestação é de 0,7%.

Com esse resultado, o município apresenta baixo risco de transmissão. Pela classificação do Ministério da Saúde, cidades com menos de 1% não apresentam risco de epidemia, entre 1% e 3%, risco médio. Acima de 4%, o município tem alto risco de epidemia de dengue.

O Lira são-tiaguense indicou três amostras positivas para o Aedes aegypti, uma no bairro do Cerrado, outra no Cruzeiro e mais uma distrito de Mercês de Água Limpa. Ao todo, foram vistoriados 237 imóveis.

A pesquisa foi realizada em São Tiago entre os dias 23 e 26 de outubro. Já em Mercês de Água Limpa, os dados foram coletados entre 31 de outubro e 1º de novembro. O imóveis vistoriados são escolhidos de forma aleatória, por meio de sorteio no Sistema do Ministério da Saúde.

Embora o risco de infestação em São Tiago seja baixo, a Secretaria de Saúde lembra que “a comunidade não pode deixar de realizar as ações de combate ao transmissor destas doenças [Febre Amarela, Chikungunya, Dengue e Zika]”.

Dados

secretaria-saude-dengue-sao-tiago-mg
Ele pode matar

Segundo o Ministério da Saúde, o Lira analisou dados de 3.946 cidades. O indicador aponta que 357 cidades estão em situação de risco, 1.139 municípios estão em situação de alerta e 2.450 municípios foram classificados como satisfatórios, é o caso de Belo Horizonte.

A taxa de pessoas infectadas por doenças transmitidas pelo Aedes caiu. Entre 2016 e a primeira quinzena de 2017, houve queda de 83,7% nos casos de Dengue. A taxa média é de 116 casos para cada grupo de 100 mil habitantes.

O cenário da Chikungunya também não é o mesmo. O número de casos caiu 32%. A Zika também tem afetado menos a população. Houve queda de 92,1%, entre 2016 e 2017. Para que esses números caiam ainda mais, o Ministério vai lançar uma nova campanha publicitária.

Intitulada “Um mosquito pode prejudicar uma vida. E o combate começa por você”, a campanha apresenta histórias reais de pessoas que sofreram com as doenças. As peças começarão a ser veiculadas em dezembro.

trem-de-ler

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *