semana-de-saude-mental-sao-tiago
Viver bem: é possível

A “X Semana de Saúde Mental de São Tiago” começa nesta segunda-feira (23), às 14h, na Sede Social Santiaguense. Até a sexta-feira (27), o evento com atividades também em Mercês de Água Limpa, conta com bate-papos, rodas de conversas, atividades físicas e até uma noite de Forró (clique aqui para ver a programação).

Além de comemorar o 10 de outubro, Dia Mundial da Saúde Mental, a Semana funciona como um momento de culminância das atividade que já são desenvolvidas no dia a dia pelo Programa Bem Viver. Ele foi criado pelo Cisver em 2002 e instalado em São Tiago há 11 anos.

Psicóloga do Programa, Bruna Gonçalves Soares, explica que o Bem Viver surge a partir da reforma psiquiátrica brasileira, quando a internação em manicômios deixou de ser a solução para quem sofria de transtornos mentais.

“O Bem Viver oferece profissionais como psicólogos, psiquiatra, neurologista e terapeuta ocupacional. Eles atuam de forma substitutiva às antigas internações, garantindo aos usuário uma interação social que não cerceia a liberdade das pessoas em hospitais psiquiátricos, como acontecia em Barbacena”, afirma Bruna.

semana-de-saude-mental-sao-tiago
Há sempre uma saída

O Programa é a porta de entrada para que pessoas com diversos tipos de sofrimentos mentais possam se tratar em sua própria cidade. Ele oferece suporte a usuários que podem atentar contra a própria vida, acompanhamento neurológico e psiquiátrico decorrente de algum problema físico.

“Em São Tiago, um problemas comum são pessoas com sofrimento causado pelo uso abusivo de álcool e outras drogas. Procuramos estabelecer parcerias com escolas justamente para realizarmos um trabalho de prevenção, para que não tenha que se chegar ao tratamento em si”, completa Bruna.

O Bem Viver tem atuação municipal mas opera junto ao Centro de Referência que fica em São João del-Rei. Para Bruna, é importante que todos estejam engajados com as ações do Programa.

“O atendimento às pessoas com sofrimentos mentais faz parte das políticas públicas de saúde, mas a sociedade civil organizada também é parte fundamental para ajudar no êxito das ações”, finaliza a psicóloga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *